Por mais precavida e cuidadora que uma pessoa seja, imprevistos sempre podem ocorrer e tornar um empréstimo necessário. Em uma situação como essa, entender como negociar dívida do cheque especial é indispensável.

A importância de tal tarefa está diretamente relacionada aos custos dessa operação de crédito, que segundo a regulamentação que entrou em vigor no dia 06/01/2020, pode chegar a 8% ao mês, o que equivale a 151,8% ao ano. Analisando esse custo, é fácil perceber que, ao recorrer a essa modalidade de crédito, uma pessoa corre o risco de complicar ainda mais sua situação financeira.

Levando esse fato em consideração, preparamos este conteúdo com orientações úteis para quem tem problemas como cheque especial. Leia o artigo e descubra como sair dessa dívida!

Entenda como funciona o cheque especial

Segundo a regulamentação vigente, sempre que o cliente de um banco utiliza o cheque especial para receber, por meio do empréstimo, uma quantia superior a R$ 200,00, e não encerra a operação de crédito em período de 30 dias, a instituição financeira precisa contatá-lo e oferecer uma forma de financiamento mais barata, como o crédito pessoal.

A grande questão é que esse crédito, oferecido pelo banco, também está sujeito a uma taxa de juros e a diversas tarifas, que podem ser cobradas pela instituição financeira. Por essa razão, ainda que mais barato, o novo empréstimo oferecido pelo banco não é necessariamente a melhor opção.

Portanto, é necessário que, antes de aceitar a proposta feita pelo banco, o cliente contate seu gerente e se informe com ele a respeito de todos os custos envolvidos na operação.

Pesquise a melhor forma de financiamento

Uma pessoa que deseja negociar a dívida do cheque especial, e obter os melhores resultados, precisa estar bem informada a respeito dos custos, praticados no mercado, para a concessão de crédito. Desse modo, depois de confirmar com cliente a taxa de juros e as tarifas que incidem sobre o novo crédito, oferecido pelo banco, cabe ao cliente entrar em contato com outras instituições financeiras e verificar os valores cobrados por elas.

Nesse momento, a internet é uma ferramenta muito útil. Por meio dela, qualquer pessoa pode contatar instituições financeiras e até mesmo realizar simulações de crédito, o que lhe permite identificar as opções de crédito mais baratas disponíveis no mercado.

Faça a portabilidade de crédito

Se depois de pesquisar os valores praticados no mercado, o cliente identificar uma opção mais alinhada às suas necessidades do que a oferecida pelo banco, ele pode pedir a chamada portabilidade de crédito. Esse dispositivo, criado com a finalidade de proteger o interesse do cliente e fomentar a concorrência no setor de crédito, permite que qualquer pessoa transfira sua dívida para um outro banco, que lhe ofereça melhores condições.

Dentre as vantagens desse dispositivo, podemos citar o fato de que a operação é isenta do IOF, o que reduz seus custos.

Antes de optar por ela, porém, a pessoa interessada precisa verificar se a proposta de crédito de fato é mais barato do que o disponibilizado por sua instituição financeira. Além disso, ela precisa pedir parcelas que se encaixem em seu orçamento.

Ninguém está livre de imprevistos, como bater o carro ou precisar arcar com os custos da troca de um equipamento importante para o trabalho, como um computador ou um notebook. Em uma situação como essa, em que um rápido fluxo de recursos se faz necessário, o cheque especial pode ser uma boa solução. Considerando os custos dessa linha de financiamento, porém, ela só deve ser usada em situações de emergência.

Depois de ler esse texto você sabe como negociar dívida do cheque especial. Portanto, analise a melhor opção para você recorrer e negocie sua dívida para solucionar sua situação.

Gostou do nosso texto? Que tal dividir esse conhecimento com os seus amigos e conhecidos? Compartilhe o artigo em suas redes sociais para que eles saibam como sair do cheque especial!

Sou fundador da Kitei, empresa que fundei em meados de 2016. Atuo na  direção de toda a área comercial, administrativa e financeira no cargo de Diretor Executivo. Tenho mais de 25 anos de experiência no mercado de cobrança e por meio de uma gestão inovadora, continuo a conduzir minha equipe para atuar no mercado financeiro com competitividade.

Escreva um comentário