Na atual realidade que vivemos no Brasil, em que uma parcela significativa de população está endividada, usar os recursos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) para quitar dívidas tende a representar um alívio no orçamento de muitas famílias.

Embora essa liberação de recursos seja bem-vinda, ainda existem muitas dúvidas a respeito dela, principalmente sobre o pagamento de dívidas e de possíveis investimentos. Por esse motivo, resolvemos desenvolver este conteúdo com informações mais completas sobre o tema.

Leia o artigo e entenda como usar seu FGTS para quitar dívidas!

Como funciona o saque do FGTS?

Segundo uma nova resolução do Governo Federal, os brasileiros foram autorizados a fazer saques em suas contas do FGTS, sejam elas ativas ou inativas, até o valor de R$500. Além disso, foi anunciado que, a partir do ano de 2020, os trabalhadores terão a prerrogativa de sacar até R$500 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço uma vez por ano, no chamado saque-aniversário.

Os saques do FGTS começaram a ser liberados em setembro. Essa medida foi implementada com a finalidade de colocar mais recursos na economia e otimizar as compras, o que tende a aquecer diversos mercados e gerar novos empregos. É interessante ressaltar, porém, que essa é uma ótima oportunidade para que pessoas endividadas se livrem dos seus débitos.

Como usar os recursos do FGTS para quitar dívidas?

Apesar da vontade de pagar seus débitos, muitas pessoas não sabem como utilizar o FGTS para quitar dívidas. Isso pode ocorrer porque elas precisam pagar com muitas contas e não sabe com qual lidar primeiro, ou porque a quantia que precisam pagar supera o valor disponibilizado pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço.

Continue a leitura e descubra o que fazer frente a uma situação como essa!

Faça uma lista de prioridades

Não são raros os casos em que, por diversas situações, uma pessoa se vê forçada a contrair muitas dívidas. Nesse caso, a tarefa de eleger a conta que precisa ser paga primeiro pode ser bem complexa. Alguns fatores, porém, tem o potencial de tornar essa escolha muito mais simples.

Em primeiro lugar, é necessário considerar que, para fazer um empréstimo ou mesmo uma venda a prazo, a empresa acrescenta uma taxa de juros para remunerar o crédito disponibilizado. Por isso, é importante que uma pessoa interessada em pagar suas dívidas coloque em sua lista de prioridade de pagamento as contas que têm juros mais altos.

Também é importante ressaltar que algumas contas, quando atrasadas, podem impor algum tipo de multa, o que eleva seu custo. Portanto, é necessário conhecer tanto o prazo de pagamento da dívida quanto os possíveis encargos que um atraso pode acarretar.

Por fim, depois analisar os dois fatores apresentados, a pessoa interessada em usar o FGTS para quitar dívidas pode decidir, de uma maneira mais eficiente, quais contas devem ser pagas primeiro.

Tente renegociar a dívida

Em algumas situações, porém, o valor da dívida pode ser mais alto que a quantia a qual o trabalhador terá acesso por meio do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. Nesse caso, é interessante entrar em contato com o credor e abrir uma negociação em busca de melhores condições. A vontade do credor é receber seus recursos de volta, por esse motivo, na maioria das vezes, ele está disposto a negociar.

Mesmo que o valor liberado pelo FGTS ainda não seja o suficiente para quitar as dívidas, ele pode ser usado como a entrada de um financiamento muito mais amigável e benéfico para a pessoa que está devendo.

Hoje em dia, a tarefa de renegociar dívidas se tornou muito mais fácil, principalmente por meio de plataformas online, que fazem uma ligação direta entre a pessoa com débitos e seus credores, o que permite negociar usando um computador ou smartphone.

Por que usar o FGTS para quitar dívidas é tão importante?

É possível que algumas pessoas, mesmo endividadas, pensem em usar os recursos do FGTS com outra coisa, deixando de lado o pagamento de seus débitos. Essa decisão é ruim, pois pode acarretar ao menos dois prejuízos diretos. São eles os seguintes:

Mais gastos

Como já foi citado, sempre que uma pessoa pega um empréstimo, ou compra um determinado produto a prazo, ela está entrando em uma operação de crédito, e o crédito tem custos.

Desse modo, quanto mais tempo uma pessoa levar para pagar suas dívidas, maior será a incidência da taxa de juros sobre a operação de crédito, o que vai tornar os seus gastos muito mais elevados.

Nome sujo

Outro problema ocasionado pela falta de pagamentos é a inclusão do nome do devedor nos cadastros de maus pagadores. Em uma situação como essa, conseguir novo crédito se torna muito mais difícil e custoso, o que pode ser um grave problema frente a uma emergência em que um empréstimo se faça necessário.

Levando esses fatos em consideração, é fácil perceber por que usar o FGTS para quitar dívidas é a atitude mais eficiente, principalmente do ponto de vista econômico.

O que fazer com os recursos restantes?

Depois de pagar suas dívidas, muitas pessoas ainda vão ter os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço em mãos. Além disso, aqueles que optaram pelo saque-aniversário, todos os anos, terão acesso a esses recursos. Frente a essa situação, a grande questão é: como usar esse capital de forma inteligente?

Para responder essa pergunta, é necessário lembrar que, originalmente, o FGTS foi criado como uma forma de proteção para o trabalhador. Nesse contexto, investir esses recursos tendem a ser a melhor ideia, pois tem o potencial de melhorar o padrão de vida e garantir uma aposentadoria mais tranquila para uma pessoa que a coloca em prática.

A criação da chamada reserva de emergência, por exemplo, abre espaço para que, em uma situação adversa, o indivíduo já tenha recursos à sua disposição e, assim, não precisa recorrer a um empréstimo.

Os débitos têm o potencial de reduzir o padrão de vida uma pessoa, consumindo quantias que poderiam ser usadas em outras áreas. Por esse motivo, pagar as contas o mais rápido possível sempre é a melhor opção.

Agora que você entende como usar o FGTS para quitar dívidas, gostaria de descobrir como ser bem-sucedido em uma negociação com o banco? Leia este artigo e tenha acesso a esse conhecimento!

Sou fundador da Kitei, empresa que fundei em meados de 2016. Atuo na  direção de toda a área comercial, administrativa e financeira no cargo de Diretor Executivo. Tenho mais de 25 anos de experiência no mercado de cobrança e por meio de uma gestão inovadora, continuo a conduzir minha equipe para atuar no mercado financeiro com competitividade.

Escreva um comentário